MAQUININHA LELECO
Operação Carne Fraca

PF faz operação em MT, em avícola da BRFe em mais 8 estados

A Polícia Federal (PF), em cooperação com o Ministério Público Federal, deflagrou, na manhã desta terça-feira (01), a quarta fase da ‘Operação Carne Fraca’, com o objetivo cumprir 68 mandados de busca e apreensão em Mato Grosso e outros oito Estados. As medidas cautelares foram expedidas pela 1ª Vara Federal de Ponta Grossa/PR.

01/10/2019 10h00
Por: Redação Hora News MT
Fonte: Olhar Direto
98
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

A Polícia Federal (PF), em cooperação com o Ministério Público Federal, deflagrou, na manhã desta terça-feira (01), a quarta fase da ‘Operação Carne Fraca’, com o objetivo cumprir 68 mandados de busca e apreensão em Mato Grosso e outros oito Estados. As medidas cautelares foram expedidas pela 1ª Vara Federal de Ponta Grossa/PR.

Além de Mato Grosso (Nova Mutum, Cuiabá, Nova Marilândia e Mirassol d’Oeste), estão sendo cumpridos mandados nos seguintes Estados: Paraná, São Paulo, Santa Catarina, Goiás, Pará, Rio Grande do Sul, Minas Gerais e Rio de Janeiro. No total, são 280 policiais federais envolvidos na ação, que nesta quarta fase foi denominada de ‘Romanos’.

O inquérito tem como foco principal a apuração de crimes de corrupção passiva praticados por auditores fiscais agropecuários federais em diversos estados, em benefício da BRF, grupo empresarial do ramo alimentício, que passou a atuar em colaboração espontânea com as autoridades públicas na investigação.

A BRF indicou que ao menos 60 auditores fiscais agropecuários teriam sido favorecidos com as vantagens indevidas. Há indicativos de que foram destinados R$ 19 milhões para os pagamentos indevidos. 

Os valores eram pagos em espécie, por meio do custeio de planos de saúde e até mesmo por contratos fictícios firmados com pessoas jurídicas que representavam o interesse dos fiscais.

A prática ilegal teria sido interrompida no ano de 2017, quando o grupo passou por uma reestruturação interna.

Romanos

O nome da operação faz referência a diversas passagens bíblicas do Livro de Romanos, que tratam de confissão e justiça.

Carne fraca

A primeira fase da Operação Carne Fraca, lançada em março de 2017, investigou o envolvimento de fiscais do Ministério da Agricultura em um esquema de liberação de licenças e fiscalização irregular de frigoríficos. Cinquenta e nove pessoas viraram rés.

A operação causou um impacto financeiro de R$ 363 milhões nas contas da BRF de 2017. Houve gastos e despesas extras com mídia e advogados, além de frete, armazenagem e perdas com devoluções de produtos

Apesar de Mato Grosso não possuir nenhuma planta frigorífica sob investigação naquela fase, oito países, à época, anunciaram a suspensão de compra da carne brasileira em decorrência da operação da ação. 

Em torno de 30 empresas frigoríficas estão envolvidas na operação "Carne Fraca". Entre as empresas, segundo documentos divulgados pela Polícia Federal, estão a BRF, que controla as marcas Sadia e Perdigão, e a JBS, além de frigoríficos pequenos das regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste.

De acordo com a Polícia Federal, agentes públicos utilizando-se do poder fiscalizatório do cargo, mediante pagamento de propina, atuavam para facilitar a produção de alimentos adulterados, emitindo certificados sanitários sem qualquer fiscalização efetiva.
 
As investigações ocorreram durante dois anos e dentre as ilegalidades praticadas no âmbito do setor público, denota-se a remoção de agentes públicos, com desvio de finalidade para atender interesses dos grupos empresariais. Conforme a Polícia Federal, tal conduta dos agentes públicos permitia a continuidade delitiva de frigoríficos e empresas do ramo alimentício que operavam em total desrespeito à legislação vigente.

A ação, que causou um grande impacto no setor, teve de ser contornada pelo então ministro de Agricultura, Blairo Maggi, que precisou de uma série de reuniões com países importadores de carne para atestar a qualidade do produto brasileiro. A ação do ex-senador foi primordial para que o governo do ex-presidente Michel Temer (MDB) enfrentasse a crise.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.