MASTER TECNOLOGIA
MASTER TECNOLOGIA
MASTER TECNOLOGIA
MASTER TECNOLOGIA
Madrasta Assassina

Policia prende madrasta que matou enteada envenenada para ficar com herança em MT

Uma mulher foi presa na manhã desta segunda-feira em cumprimento a um mandado expedido pela Justiça Mato-grossense e levada para a Delegacia Especializada de Defesa da Criança e do Adolescente (Deddica), de Cuiabá.

09/09/2019 14h43
Por: Redação Hora News MT
Fonte: ornalista Jonas Jozino
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Uma mulher foi presa na manhã desta segunda-feira em cumprimento a um mandado expedido pela Justiça Mato-grossense e levada para a Delegacia Especializada de Defesa da Criança e do Adolescente (Deddica), de Cuiabá. Ela é acusada de ter envenenado e matado a enteada de apenas 11 anos de idade para ficar com toda a herança do pai da criança. O crime aconteceu no dia 11 de junho.

A mulher, de 42 anos, foi acusada pelo Ministério Público de Mato Grosso da morte da garota M.P.C.O. com veneno, que tem venda proibida e ministrado à criança em pequenas doses por dois meses, entre abril e junho deste ano. Ela chegou a ser levada ao hospital no dia 14 de junho, mas chegou morta ao local.

O corpo foi levado para exames no Instituto Médico Legal, que comprovaram o uso do veneno. A princípio havia suspeita de meningite e até abuso sexual, pois havia inchaço na genitália da criança. Mas, os exames acabaram constando a morte por envenenamento.

Nos exames realizados pelo Laboratório Forense, mediante Pesquisa Toxicológica Geral, foram detectados no sangue da vítima duas substâncias, uma delas veneno que provoca intoxicação crônica ou aguda e a morte.

"Essa substância não é encontrada em medicamentos, portanto, sua ingestão por humanos somente pode ocorrer de forma criminosa. Os sintomas da sua ingestão são: visão borrada, tosse, vômito, cólica, diarréia, tremores, confusão mental, convulsões, etc.", explicaram os delegados Francisco Kunze e Wagner Bassi, que conduzem as investigações. 

Com base nas informações fornecidas pelo IML, os agentes da Deddica começaram a investigar o caso e descobriram que a madrasta envenenava a criança para ficar com a herança que a menina havia recebido ao nascer devido a morte da mãe, durante um parte em um hospital em Cuiabá, por erro médico.

A ação foi movida pelos avós maternos da criança, que ingressou na Justiça pela indenização, que em 2019, após 10 anos, foi encerrado o processo, com causa ganha a família de R$ 800 mil, incluindo os descontos de honorários advocatícios.

Parte do dinheiro ficaria depositado em uma conta para a menina movimentar somente na idade adulta. A Justiça autorizou que fosse usada um pequena parte do dinheiro para despesas da criança, mas a maior quantia ficaria em depósito para uso após a maioridade, aos 24 anos. 

O pagamento da ação iniciou em 2019. Até 2018, a menina era criada pelo avós paternos. Em 2017, a avó morreu e no ano seguinte (2018) o avô faleceu também, passando a garota a ser criada, naquele mesmo ano, pelo pai e madrasta. A partir daí, segundo a investigação, começou o plano da mulher para matar a criança com o objetivo de ter acesso ao dinheiro.

 A suspeita foi levada para a sede da Deddica, em Cuiabá.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.