Terça, 19 de Outubro de 2021
°

-

PolíticaMT Denúncia no MPMT

STF abre inquérito contra Medeiros por fake news contra urnas eletrônicas

O Supremo Tribunal Federal (STF) abriu inquérito para investigar o deputado federal José Medeiros (PODE) por possível propagação de fake news.

27/09/2021 às 21h25
Por: Leandro Campos Fonte: Pablo Rodigo/Gazeta Digital
Compartilhe:
Assessoria
Assessoria

O Supremo Tribunal Federal (STF) abriu inquérito para investigar o deputado federal José Medeiros (PODE) por possível propagação de fake news. O inquérito foi aberto após denúncia do procurador-geral de Justiça (PGJ), José Antônio Borges. A relatoria do processo é da ministra Cármen Lúcia.  

A ministra acatou a representação feita pelo Ministério Público de Mato Grosso (MPMT), que acusa o deputado de ter usado um procedimento investigatório de uma eleição realizada em dezembro de 2019, pela Associação Beneficiente de Saúde dos Militares de Mato Grosso, o Hospital Militar, para alegar que as urnas eletrônicas não seriam seguras e fácil de fraudá-las.     

Os documentos sigilosos que Medeiros divulgou em suas redes sociais para colocar em xeque a segurança das urnas eletrônicas está em segredo de justiça e saíram da Justiça Militar para a Justiça Comum, a pedido do próprio MP. Foram feitas denúncias de que boletins de urna falsos teriam sido produzidos, com objetivo de fraudar o resultado da eleição da entidade.   

Entretanto, segundo o MPE, não foi levantada qualquer suspeita de problemas no funcionamento regular da urna eletrônica, cedida pela Justiça Eleitoral para ser usada naquele pleito.   “De má fé, o parlamentar mato-grossense falseia a realidade dos fatos, em mais um gesto da sua cruzada pelo retorno do voto impresso, sistema utilizado no passado com ocorrências frequentes de fraudes e manipulação de resultados, o que atentava contra a vontade soberana do eleitor brasileiro de escolher livremente seus representantes”, disse Antônio Borges em uma nota de repúdio ao parlamentar.   

Ainda de acordo com o MPE, além de utilizar um documento público do Ministério, tentou associar uma eleição de entidade de médicos com a eleição para cargos públicos, o que não faria sentido.   

Na época da denúncia do MP, Medeiros afirmou que seria apenas "um roteiro que todos já conhece e que não é diferente do que Bolsonaro e seus aliados vem sofrendo". Ele também disse lamentar o fato do Ministério Público estar agindo por 'interesses políticos' e diz que vai acionar o Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP).  

Essa não é a primeira vez que José Medeiros, que é vice-líder do governo Bolsonaro, é acusado de fake news. O representante mato-grossense compõe a lista de 26 parlamentares são responsáveis por na disseminação de fake news sobre a pandemia da covid-19. A lista é da CPI da Pandemia do Senado Federal.   

Outro lado

Por meio de nota o deputado federal José Medeiros disse que não  foi notificado sobre ação e a abertura do inquérito.

"No entanto, o parlamentar reafirma seu posicionamento de que as instituições, como o Ministério Público do Estado de Mato Grosso, estão sendo usadas por forças políticas, que estão preocupadas apenas com o processo eleitoral de 2022. O deputado federal lamenta a manobra política de taxar a verdade dos fatos de fake news na tentativa de enganar a população. Infelizmente, estão fazendo isso contra o presidente Jair Bolsonaro e seus aliados em todo o país.  

Apesar da visível perseguição e ataques que vem sofrendo desde que começou a denunciar as mazelas do governo Mauro Mendes, Medeiros garante que vai continuar defendendo os interesses da população mato-grossense e brasileira.

Por fim, o  parlamentar reafirma sua confiança na Justiça e no processo democrático". 

PARTICIPE DO GRUPO NO WHATSAPP DO SITE HORA NEWS MT, E FIQUE BEM INFORMADO EM NOTÍCIAS, VAGAS DE EMPREGO, ÚTILIDADE PÚBLICA E MUITO MAIS! CLIQUE AQUI

SIGA O HORA NEWS MT NO INSTAGRAM, CLIQUE AQUI.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.