Domingo, 26 de Setembro de 2021
°

-

Geral Cuiabá

Mulher acusada de mandar matar marido a tiros vai a Júri Popular em agosto

A denúncia do Ministério Público aponta que a suspeita planejou a execução com um comerciante, com quem tinha um relacionamento extraconjugal

24/07/2021 às 10h01
Por: Leandro Campos Fonte: Circuito MT
Compartilhe:
Reprodução
Reprodução

O Tribunal do Júri da Comarca de Cuiabá vai julgar, em 3 de agosto, a mulher acusada de envolvimento no assassinato do próprio marido. A vítima, identificada como Geraldo Jamil Siman de Moreira, foi morta a tiros na frente de casa, em janeiro de 2019. Segundo o Ministério Público, a suspeita seria a mandante da execução.

Conforme a denúncia, Geraldo tinha o costume de sair cedo de casa para trabalhar. No dia do homicídio, a vítima estava saindo da sua residência, no Bairro Cidade Verde, quando foi surpreendida e baleada por dois suspeitos em uma motocicleta, que fugiram logo em seguida. A ação foi registrada por câmeras de segurança da região.

Durante os trabalhos investigativos, a Polícia Civil capturou um dos executores do assassinato. Em depoimento, ele contou que tinha sido contratado pelo filho de um comerciante, que tinha um supermercado próximo à casa onde a suspeita morava com a vítima.

De acordo com a polícia, a mulher e o filho do comerciante mantinham um caso extraconjugal há dois anos e planejaram a morte de Geraldo. Para convencer o rapaz, a suspeita contou que vivia um relacionamento abusivo com a vítima, chegando a dizer, inclusive, que um dos três filhos era fruto de um estupro cometido por Geraldo.

Outros dois homens são acusados de terem sido os intermediários entre os dois executores e os contratantes, que prometeram pagar R$ 15 mil pelo assassinato. O processo foi desmembrando.

Além da mulher, um dos executores do homicídio também será julgado pelo Júri no mês que vem.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.