Domingo, 11 de Abril de 2021
(65) 9.8473-0999
Geral Risco Alto

Mauro Mendes critica deputados após aprovarem aulas como essencial na pandemia

Reafirmou que não é momento de voltar as aulas

06/04/2021 13h26
Por: Wilmar Erasmo Fonte: RD News
Reprodução RD News
Reprodução RD News

O governador Mauro Mendes (DEM) sinalizou que não deve sancionar o Projeto de Lei aprovado em primeira votação pela Assembleia que prevê a inclusão de escolas como atividades essenciais. Ao comentar sobre as aulas presencias, ele pediu mais paciência da população e alertou que crianças podem ser infectadas e contaminar parentes. Em Mato Grosso, passam de 8 mil mortes por Covid-19, sendo 3,2 mil só neste ano.

“Gente, é mais 10 dias, 15 dias, um mês no máximo. Agora, uma criança que por ventura se contaminar na escola e levar para dentro de casa e um avô, avó, mãe perder a vida, isso não tem preço e não poderá ser recuperado nunca”, afirmou em entrevista à rádio CBN nesta terça (6).

Ontem (5), os deputados aprovaram o PL de autoria de Elizeu Nascimento que tenta tornar instituições de ensino públicas e privadas como atividades essenciais. O tema gerou polêmica no plenário e 6 parlamentares foram contrários. O PL foi para segunda votação no mesmo dia, em regime de urgência, mas a decisão foi adiada após pedido de vistas de Thiago Silva (MDB).

O governador disse compreender a situação difícil vivenciada pelas famílias com crianças, mas reafirmou que não entende ser o momento para reabertura de escolas. No mesmo sentido, o secretário de Saúde Gilberto Figueiredo tem se manifestado desde o ano passado quando vem alertando para o risco das aulas presenciais.

“Eu entendo as mães e pais, eu também tenho uma filhinha de 6 anos que adora ir para a escola. Mas peço paciência, tolerância e amor. Não é com ódio que vamos vencer essa guerra. Cada um é um soldado, assim como eu. Acho que as escolas são importantes, mas um pouco de paciência vai ajudar a superar”, finalizou.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.