Domingo, 24 de Janeiro de 2021
(65) 9.9696-8266
Cidades Justiça

Justiça determina exumação de corpo de avô de menina que morreu envenenada em MT após suspeita de assassinato

A perícia deve identificar a causa da morte do idoso, após suspeita de que ele também teria sido morto por envenenamento. Depois da morte do avô, Mirela passou a ficar sob os cuidados do pai e da madrasta.

24/11/2020 14h54
Por: Redação Hora News MT Fonte: G1/MT
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

A Justiça determinou a exumação do corpo do avô da menina Mirela Poliane Chue de Oliveira, de 11 anos, que morreu em junho do ano passado, em Cuiabá, após ter sido envenenada. A perícia deve identificar a causa da morte do idoso, após suspeita de que ele também teria sido morto por envenenamento.

A madrasta de Mirela é acusada de matá-la e está sendo investigada por suspeita de matar o avô dela, em 2018, para que a menina passasse a ficar sob os seus cuidados e pudesse arquitetar o plano para tentar se apossar de uma herança da criança. Jaira Gonçalves de Arruda, de 42 anos, está presa acusada de matar a enteada.

A decisão que determinou a realização da exumação foi dada no dia 16 de outubro, mas a Perícia Oficial e Identificação Técnica (Politec) só foi notificada nessa segunda-feira (23). Agora a data será agendada.

O inquérito policial concluiu que Jaira cometeu o crime para ficar com a herança da vítima, de R$ 800 mil. Agora, ela está sendo investigada pela morte de Edson Manuel, em março de 2018.

Mirela tinha recebido o dinheiro de uma indenização por erro médico do hospital onde ela nasceu. A mãe dela morreu durante o parto.

A ação foi movida pelos avós maternos da criança. Em 2019, após 10 anos, o processo foi encerrado, e o hospital foi condenado a pagar uma indenização de R$ 800 mil à família, já descontando os honorários advocatícios.

Parte do dinheiro ficaria depositada em uma conta para a menina movimentar na idade adulta. A Justiça autorizou que fosse usada uma pequena parte desse fundo para despesas da criança, mas a maior quantia só poderia ser acessada aos 24 anos.

Até então, Mirela morava com o avô paterno, mas depois da morte dela passou a morar com o pai e a madrasta, até ser envenenada e morrer em novembro de 2019.

No intervalo de um ano, até a morte, Mirella foi internada várias vezes. No total, foram nove entradas em um hospital particular de Cuiabá, onde ficava de três a sete dias e, depois, melhorava. Ao retornar para casa, ela voltava a adoecer.

Ela recebia diagnósticos de infecção, pneumonia e até meningite. Na última vez em que foi parar no hospital, a menina já chegou morta.

A investigação da Delegacia Especializada de Defesa da Criança e do Adolescente (Deddica) apontou que a madrasta envenenou a enteada com uma substância de venda proibida, ministrada gota a gota, entre abril e junho de 2019.

Jaira está presa na Penitenciária Feminina Ana Maria do Couto May, em Cuiabá, desde setembro de 2019.

O inquérito concluiu que o pai de Mirela não teve participação no crime.

 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.