MAQUININHA LELECO
Absurdo

Homem que vivia maritalmente com menina de 12 anos e mãe da menor são presos em Colíder

Um homem que estava convivendo maritalmente com uma adolescente, de 12 anos, foi preso em flagrante em ação da Polícia Civil com apoio da Polícia Militar e Conselho Tutelar, realizada nesta terça-feira (30.07), em Colíder (675 km ao Norte).

30/07/2019 18h42
Por: Redação Hora News MT
Fonte: Assessoria PJC
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Um homem que estava convivendo maritalmente com uma adolescente, de 12 anos, foi preso em flagrante em ação da Polícia Civil com apoio da Polícia Militar e Conselho Tutelar, realizada nesta terça-feira (30.07), em Colíder (675 km ao Norte). G.G., de 32 anos, foi autuado por estupro de vulnerável. A mãe da menor, que tinha conhecimento dos fatos, também foi presa e responderá pelo mesmo crime.

As investigações iniciaram após a Polícia Civil receber denúncias através de pessoas que não quiseram se identificar, de que o suspeito estava convivendo maritalmente com a vítima, há aproximadamente 2 meses, com o consentimento da mãe da jovem.

Com base nas apurações, as equipes da Polícia Civil, com apoio da Polícia Militar e Conselho Tutelar, foram até um sítio, onde eles ficavam e retiraram a criança da situação de risco. O suspeito foi conduzido para Delegacia de Colíder, onde interrogado confessou que estava convivendo com a menor e que manteve relação sexual com a adolescente na noite anterior.

Diante dos fatos, o delegado Ruy Guilherme Peral da Silva, deu voz de prisão ao suspeito pelo crime de estupro de vulnerável, previsto no artigo 217-A do Código Penal, com pena que pode chegar a 15 anos de prisão. A mãe da menor também foi autuada em flagrante pelo mesmo crime uma vez que tinha conhecimento da situação de abuso sexual, na qual a filha se encontrava.

“A mãe na condição de garante tinha o dever de agir, porém não fez nada para cessar ou coibir as práticas sexuais proibidas”, explicou Ruy Guilherme.

Segundo o delegado, há outras denúncias de que a mãe da menor explorava sexualmente as filhas, prostituindo as garotas, por meio de relações sexuais clandestinas, para obter alimentos e outros bens. “As investigações continuam para apurar maiores detalhes sobre as denúncias e ver se há ou não materialidade da exploração sexual praticada pela genitora”, destacou.

O delegado representará pela conversão da prisão em flagrante de G.G. em preventiva com objetivo de evitar a reiteração da conduta criminosa (voltar a praticar os abusos contra a adolescente) ou coagir a menor. A genitora continuará presa e a sua liberdade ficará a critério do poder judiciário.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.